O segredo dos melhores apresentadores: ensaiar, ensaiar e ensaiar.

Eis uma situação muito comum em apresentações: slides belíssimos, um público entusiasmado, com alta expectativa e um apresentador, em contraponto, que lê seus slides, se esquece de suas falas e trava constantemente desperdiçando uma ótima oportunidade de expor suas ideias e frustrando todos que dedicaram seu tempo para assisti-lo. Quantas vezes já passamos por isso?

Não chega a surpreender. Seja por uma agenda repleta de compromissos, excesso de autoconfiança ou (o pior) descaso, no dia a dia a maior parte das pessoas não se prepara adequadamente para se apresentar e quando muito dá uma olhada em seus slides minutos antes de falar, resultando numa apresentação frustrante para o público e ineficiente para o apresentador.

Ensaiar antes de se apresentar transforma qualquer pessoa num excelente apresentador, sem exceção. Isso é possível graças a uma série de benefícios que os ensaios incutem.

Domínio sobre o conteúdo

Dominar o conteúdo é o benefício básico que os ensaios proporcionam e o mínimo que um apresentador deve fazer para ter um bom desempenho. Ter em mente o que deve ser dito, no momento em que deve ser dito traz confiança, segurança e deixa sua mente livre para se preocupar com outras questões que não sejam as suas próximas palavras. Um fato curioso é que por mais que em muitos casos o apresentador possua um discurso pronto, quanto mais ele ensaia mais natural ele flui e fica cada vez mais difícil perceber tal fato.

Menos slides

Uma das principais razões de apresentações cheias de slides repletos de texto e tópicos é justamente utilizá-los como referência para o apresentador se recordar de suas falas, sendo que em muitos casos ele literalmente lê todo o seu conteúdo.

Como consequência do domínio de suas falas, o apresentador não vê necessidade alguma de preencher seus slides com esse excesso de informações e é comum remover vários deles da apresentação. Dessa forma, além de ganhar credibilidade com o público que não estará lá apenas para assistir uma pessoa lendo o que eles mesmos podem ler, a atenção deles estará mais voltada ao apresentador, que é – como sempre – o foco de qualquer apresentação.

COMO falar e não O QUÊ falar

Quando não ensaiamos, nossa única preocupação são nossas próximas palavras. Pensando assim, nossa fala começa e termina num único tom, quase sempre monótono, e em ritmo acelerado para “nos livrarmos” logo dela. Outro problema corriqueiro é o que se chama de “muletas de linguagem”. Muletas de linguagem são aquelas monossílabas (ah, é, ahn, hum) que pronunciamos após cada sentença para nos lembrarmos do que devemos dizer na sequencia. Além de revelar o despreparo do apresentador, as muletas de linguagem costumam se tornar um grande incômodo auditivo ao público.

Quando ensaiamos e assimilamos nosso conteúdo de forma que ele flua naturalmente, sem nos preocuparmos em “pensar” sobre nossas falas, conseguimos nos preocupar com ênfases, entonação e o ritmo da palestra, ferramentas vocais que assomam grande peso à persuasão como um todo. Além disso, somente dessa forma conseguimos nos preocupar com a nossa linguagem corporal, tão importante quanto a verbal e que certamente é deixada de lado quando nos concentramos apenas no que devemos falar.

Combate o medo de falar em público

Uma das causas do medo de falar em público é a insegurança que o apresentador tem sobre o conteúdo que pretende apresentar. Além do esforço mental já citado, a auto cobrança aumenta e o nervosismo impera afetando a fala com repetições, as “muletas de linguagem”, um ritmo acelerado e o ocultamento de palavras na sentença.

Uma vez dominado o conteúdo e sincronizado com seu material visual, como já foi visto, a confiança é elevada e a segurança em seus argumentos também. A fala é natural e espontânea e a última coisa que o cérebro irá se preocupar é “e agora, o que vem depois?”.

Assim, parte do medo (senão todo ele em muitos casos) simplesmente desaparece.

Não é uma apresentação, é um show!

Com o domínio do seu conteúdo, sincronia com seus slides, uma fala e linguagem corporal bem desenvolvidas, certamente sua apresentação será uma experiência única ao seu público já tão habituado aos famosos “leitores de slide”. Nada melhor do que uma surpresa positiva.

Um apresentador seguro e treinado transmite confiança, credibilidade, respeito e admiração, quatro grandes facilitadores para que qualquer um abrace e siga suas ideias.

Mas como devo ensaiar?

A primeira dica é: nunca deixe para a última hora.

Quando tiver uma apresentação para fazer, assim que seu material e discurso estiverem prontos inicie seus ensaios imediatamente.

Comece procurando dominar seu conteúdo. Essa é a etapa mais lenta, porém mais produtiva. Aqui não há problema em ler slides, voltar atrás, ser repetitivo etc. O importante é memorizar. Quanto mais se ensaia, mais eficiente é a memorização.

Pouco a pouco, vá se desgarrando de seus slides e roteiro, consultando-os cada vez menos até o ponto em que a consulta não for mais necessária.

Após isso passe a se dedicar ao ensaio dos outros aspectos apresentados nesse artigo como a maneira de falar e sua linguagem corporal até aperfeiçoá-los ao seu gosto.

Não há um período exato de ensaio para chega à perfeição. Isso depende da dedicação e perfil de cada um. Entretanto, tente quantas vezes puder. Ensaiar nunca é pouco, sempre é possível melhorar.